POST EM DESTAQUE

  • Maria Stela Marrelli Caldas Leite Lucas

Conheça os hábitos alimentares dos Didelfídeos

As diferentes espécies de marsupiais brasileiros geralmente possuem dietas similares, sendo todas onívoras em algum grau. Os marsupiais didelfídeos têm hábitos alimentares generalistas, com algumas exceções, variando “insetívoros/onívoros” a “frugívoros/onívoros”. Os gambás, por exemplo, são as espécies mais generalistas entre os Didelphidae. São considerados frugívoras/onívoras, incluindo em suas dietas pequenos vertebrados, invertebrados e frutos, usados de uma maneira oportunista.


Gambá em habitat natural. Foto: Leonardo Merçon


Mas o que significa ser onívoro, frugívoro, generalista e oportunista?

Onívoros são aqueles que se alimentam tanto de matéria vegetal como animal. Já os insetívoros são os animais que se alimentam de insetos e algumas espécies de artrópodes (aranhas, centopeias, escorpiões, etc.). Os frugívoros são os que consomem pelo menos uma porção de frutas em sua dieta.


Os animais generalistas apresentam tanto hábitos alimentares quanto o uso do ambiente (habitat), diversificados. Mas a classificação de oportunista é bem interessante: quer dizer que a espécie aproveita o alimento que está mais fácil ou que aparece primeiro em seu caminho. O caso é diferente quando possuem uma oferta maior, como é o caso dos cativeiros, onde os tratadores oferecem uma grande variedade de alimentos e os animais podem escolher o que comer.


Gambá em reabilitação no Centro de Triagem de Animais Silvestres (CETAS). Foto: Rodrigo Germano


Mas e agora? O que difere na alimentação do gambá que ocorre em áreas distintas?

Em Didelphis aurita sua dieta é composta por pequenos roedores, répteis, anfíbios, aves, invertebrados como piolhos-de-cobra, lacraias, opiliões, baratas, formigas, grilos, gafanhotos e besouros. Além do consumo de frutos de plantas pertencentes a família Araceae, Bromeliaceae, Cactaceae, Sapindaceae, Passifloraceae, Cucurbitaceae, Piperacaeae, Solanaceae, Moraceae, Myrtaceae e Rosaceae. São espécies fundamentais na dispersão de muitas sementes.


Didelphis marsupialis tem uma dieta variada, consumindo pequenos roedores, aves, répteis, anfíbios e invertebrados como besouros, grilos e gafanhotos. Além de uma alta diversidade de frutos de plantas como Astrocaryum, Cecropia, Clusia, Ficus, Inga e Psidium. Incluindo frutos de cascas mas duras evitados por espécies menores. Além disso, há registro de D. marsupialis consumindo néctar de flores da espécie Quararibea cordata e de plantas herbáceas.


Espécies consumidas por marsupiais. Fotos: Leonardo Merçon


Em D. albiventris sua dieta também é diversificada como as demais espécies se comportando como frugívoro oportunista, consumindo pequenos mamíferos como outros marsupiais menores (Marmosa), roedores e algumas espécies de morcegos (Artibeus lituratus, Sturnira lilium), peixes, répteis, aves e principalmente invertebrados (baratas, besouros, formigas, opiliões e piolhos-de-cobra) e frutos de plantas Rubus, Solanum, Cecropia, Piper, Miconia entre outros.


Ou seja, eles vão se alimentar de pitanga onde tiver pitanga, e se não houver esta fruta aí no seu estado, eles vão se alimentar de outra que tiver.

322 visualizações